Polícia Civil desarticula grupo de grileiros e prende suspeitos por serem mandantes de homicídio na cidade de Alto Parnaíba

Uma força tarefa batizada coma “Operação Penitente” foi desenvolvida na manhã da última quarta-feira(23) pela Polícia Civil, através do Departamento de Homicídios do Interior (DHI), da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa(SHPP), em conjunto com equipes da Delegacia Regional de Balsas e a Polícia Civil do estado do Paraná, no intuito de cumprir mandados de prisões temporárias, de busca e apreensão e de condução coercitiva, todos relacionados ao crime de grilagem de terras e homicídio na região sul do Maranhão.

A “Operação Penitente” foi um desdobramento da “Operação Alto Parnaíba” que teve o objetivo de apurar o assassinato do corretor Edivá Dias Vieira em junho de 2010, morto com um tiro na cabeça, crime esse que causou grande repercussão na região de divisa entre o Maranhão e o Piauí. Na ocasião, o pistoleiro fugiu em uma motocicleta em direção ao estado do Tocantins.

Investigações policiais concluíram que o assassinato do corretor foi oriunda de um consórcio entre fazendeiros da área, pois a vítima estava prestes a denunciar a máfia de grilagem de terras na região da Serra do Penitente, tal região rica na produção de soja no município de Alto Parnaíba.

Foram cumpridos os mandados de prisões temporárias e de busca e apreensão em desfavor de Ricardo Wagner Pondestá Romero, esse preso na cidade paranaense de Lupionópolis, Paulo Alves Lopes, Luís Antônio Canuto de Souza, Laimert Domingues da Cruz, além disso foram executados os mandados de condução coercitiva para Francisco Aldino e Orivaldo Falavigna.

Dois envolvidos não foram localizados em seus respectivos enderenços, Evilásio Alves Pereira e Alaíde Maria de Castro, sendo assim já são considerados foragidos da justiça. As investigações devem continuar visando prendê-los, além de objetivar a captura do pistoleiro identificado até agora como “Boiadeiro” afirmou o delegado Guilherme Sousa Filho, chefe do Departamento de Homicídios do Interior.

Por: Anselmo Oliveira – ASCOM/SSP