Delegado Marcos Affonso, da SHPP, aponta redução nos crimes de latrocínio

O delegado Marcos Affonso Júnior, chefe do Departamento de Proteção à Pessoa, da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoa, informou a nossa reportagem que 60% dos crimes de latrocínio acontecidos no primeiro semestre de 2016, tiveram inquéritos concluídos e enviados a justiça. Disse que a apuração do crime de latrocínio tem uma cobrança muito grande da sociedade, pois as vítimas são pessoas que saem de casa para o trabalho ou algum outro local, em sua maioria trabalhadores, pais de famílias que perdem a vida de maneira bárbara ao serem abordadas por latrocidas que, além de rouba-las, ainda ceifam as suas vidas em ato de crueldade.

Segundo o delegado, houve uma diminuição significante de latrocínios acontecidos na região metropolitana de São Luís em relação ao primeiro semestre do ano passado. “A partir do momento que os casos de latrocínios são concluídos com a prisão dos autores, isso contribui para a diminuição desta prática criminosa, pois tira-se de circulação elementos nocivos a sociedade e ao mesmo tempo se inibe de alguma forma a prática deste crime, por outros bandidos” disse.

Marcos Affonso acrescentou que a elucidação dos crimes de latrocínio deve-se a uma forte atuação do Serviço de Inteligência da Polícia civil do Maranhão que é muito atuante na SHPP, contribuindo de maneira decisiva para o trabalho feito pelo departamento na prisão desses criminosos.

Affonso Júnior disse que está a quatro meses como chefe do Departamento de Proteção a Pessoa na Superintendência de Homicídios (SHPP) e que neste período graças ao bom trabalho da sua equipe e ao apoio do superintende, Dr Leonardo, os resultados são satisfatórios. Estamos ai com quatro meses à frente deste departamento com mais de 60 % dos casos de latrocínios concluídos, através de um trabalho em equipe, realizado por quatro investigadores um escrivão, e o apoio do superintendente da SHPP, Dr. Leonardo e ao grupo de inteligência da Polícia Civil. Agradeceu também ao Ministério Público e ao judiciário que “tem tido uma participação decisiva, acolhendo as denúncias, analisando-as com brevidade, de maneira eficaz, respondendo à altura, proferindo sentenças condenatórias aos latrocidas

Marcos Affonso disse, ainda, que no mês de junho, quatro latrocínios foram registrados incluindo o assassinato do soldado do Corpo de Bombeiros Militar. Conforme ele em todos esses casos de latrocínios, a Polícia Civil tem se desdobrado através da Superintendência de Proteção à Pessoa (SHPP), por intermédio do Departamento de Proteção a Pessoa para conclusão dos casos e prisão dos latrocidas.

Stenio Johnny/ASCOM SSP