Cúpula de Segurança apresenta mais cinco suspeitos de ordenarem incêndios a coletivos

A Secretaria de Segurança Pública apresentou, na manhã desta terça-feira (24), por volta das 10h, cinco internos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, suspeitos de ordenarem os ataques criminosos a ônibus coletivos na região metropolitana de São Luís. Os ataques, iniciados desde a última quinta-feira (19), já resultaram em prisões e detenções de 60 pessoas, sendo que destes 30 já foram atuados. Os cinco internos foram identificados por Elias Rafael Santos de Paiva, o “Tropical” Marcos Antônio de Carvalho, o “Marco Latro”; Cilas Pereira Borges, Wilton Torres, o “Espiga” e Cristiano Nunes Moraes, o “Cris Braw”.

De acordo com informações das forças de segurança do Estado, os cinco internos são membros de uma facção criminosa e seriam diretamente responsáveis pelas ordens para ataques contra ônibus coletivos na região metropolitana de São Luís. A Cúpula de Segurança informou que desde o início dos ataques de imediato foram realizadas operações integradas de forma intensificada em toda área metropolitana com o objetivo de reprimir as ações criminosas.

Ações imediatas contra os ataques criminosos

Na apresentação no auditório da SSP estavam presentes o Delegado Geral da Policia Civil do Maranhão, Lawrence Melo; o Comandante Geral da Policia Militar, coronel Frederico Pereira; o Superintende da Seic Thiago Bardal e o delegado responsável pelo Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO), Ney Anderson Gaspar.

O Delegado Geral da Policia Civil, Lawrence Melo informou que os presos e detidos foram identificados através de provas materiais e testemunhais. “Do ponto de vista ostensivo, as ações da polícia se estenderam por todo o final de semana no intuito de inibir os ataques. Logo no segundo dia após os incêndios, foram presas 14 pessoas com envolvimento nos crimes. Na última sexta-feira (20), mais sete pessoas foram presas por participação nos ataques aos coletivos e cinco internos identificados e apresentados como suspeitos de ordenarem os ataques”, acrescentou.IMG_20160524_103433644-1

O Comandante Geral da Polícia Militar Frederico Pereira, revelou que diversas ações envolvendo as policiais Civil, Militar e Corpo de Bombeiros, veem sendo realizadas de forma integrada desde que foram registrados os primeiros atos criminosos de incêndios a ônibus. Ele acrescentou que “Nós não vamos descansar, não há trégua. Nossa meta é acabar de vez com os ataques, e isto com práticas ostensivas e integração das forças de segurança. A Polícia Militar vem realizando um trabalho rotineiro e bastante ostensivo nas ruas, bem como patrulhamento diário nas áreas que foram afetadas. O Governo do Estado designou mais 80 policiais militares, trabalhando em conjunto com a polícia judiciária, promotoria e sociedade” disse o comandante.

O Superintendente da Seic, Thiago Bardal, declarou durante a apresentação que “Há um desespero em meio às facções pelo trabalho que vem sendo realizado no estado, através das forças de segurança, no sentindo de intervir em atos criminosos. Tanto a Seic como a Senarc veem intensificando diversas operações ocasionando muitas prisões, seja por arrombamentos contra instituições financeiras, seja por tráfico de entorpecentes. As investigações continuarão na busca de identificar mais pessoas que estejam envolvidas com esses crimes”, finalizou.

A Cúpula de Segurança encerrou a apresentação na SSP informando que as operações continuarão de maneira enérgica para conter quaisquer atentados que visem atingir o direito de ir e vir e a liberdade do cidadão.

Isadora Fonseca e Mauro Wagner Ascom/SSP