Superintendente da Senarc mostra resultados em prisões, desarticulação de quadrilhas e apreensão de 510 kg de drogas

O Delegado Carlos Alessandro, da Superintendência de Repressão e Combate ao Narcotráfico (SENARC), disse que a Polícia Civil do Maranhão vem realizando um grande trabalho no combate ao tráfico de drogas no Estado, informando a apreensão de mais de 510kg de substâncias entorpecentes, entre crack, maconha e cocaína, juntamente com armas de fogo de médio e grosso calibres pertencentes a integrantes de facções criminosas. Com as operações realizadas, já foram presos mais de 70 indivíduos pertencentes ao submundo do crime, grandes chefões do tráfico e quadrilhas especializadas nesta prática criminosa foram, finalmente, desbaratadas.

Conforme o superintendente, a Polícia Civil, desde a criação da Senarc, no mês de agosto, tem atuado ostensivamente na repressão ao narcotráfico. Com isso, houve uma redução considerável nesta modalidade de crime. “As operações contínuas realizadas por esta superintendência tem tirado de circulação indivíduos nocivos a sociedade, envolvidos com o tráfico e apreendido armas, drogas e carros roubados e/ou usados pelos traficantes.

Carlos Alessandro disse que a Senarc atua com dois departamentos de combate ao narcotráfico, o da capital que tem como diretor o delegado Valdenor Viegas e o do interior. O trabalho da equipe em São Luís desarticulou e levou à prisão diversas quadrilhas de traficantes. No âmbito do departamento estadual, que é dirigido pelo delegado Danilo Veras, megaoperações de combate ao tráfico fecharam fronteiras, mapearam áreas que servem de rota ao tráfico, desbarataram quadrilhas e prenderam perigosos chefões do tráfico. Armas, drogas e veículos roubados, usados na rota do crime foram apreendidos nessas operações.

O superintendente fez questão de ressaltar que este ano a Polícia Civil do Maranhão, através da SENARC, realizou a maior apreensão de drogas no estado, inclusive 120 kg de crack que iriam ser distribuídos nos mercados do submundo em São Luís. Junto com todo esse volume de drogas, foram presos chefões do tráfico pertencentes a uma facção criminosa com sede em Mato Grosso. Em outra operação, foram apreendidos 300kg de maconha, também a maior apreensão desta substância realizada pela Polícia Civil.

O superintendente Carlos Alessandro referiu-se também à “Operação Maranhão Seguro” que, na manhã da última segunda-feira (02), com auxílio da Força Tática de Presidente Dutra, conseguiu prender dois suspeitos de roubos de cargas. Com eles foram apreendidas duas armas de fogo. Durante a ação, os policiais da SENARC libertaram um caminhoneiro que estava sendo refém de sequestro.

Em outra operação, também coordenada pela (SENARC), a Polícia Civil prendeu, em Itapecuru, dois suspeitos com aproximadamente 19 tabletes de crack. Os presos foram encaminhados para a sede da SEIC, localizada no Bairro de Fátima, para serem apresentados aos delegados responsáveis pela operação.

No Interior maranhense, policiais civis, por meio da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC), núcleo de Imperatriz, sob o comando do delegado Fabian Victor Klein, prenderam três traficantes e apreenderam drogas em uma boca de fumo localizada na rua Brasil, bairro Nova Imperatriz, fato ocorrido no fim da tarde da quinta-feira passada.

Segundo o superintendente, operações como essas estão sendo realizadas continuamente, tanto na capital como no interior. Ele declarou que a SENARC está no caminho certo, pois foi feito todo um planejamento de ações administrativas e operacionais, obtendo resultados positivos no enfrentamento e combate ao tráfico no Maranhão.

Sobre a criação do WhatsApp da Senarc

De acordo com Carlos Alessandro, o aplicativo deverá fomentar e ajudar no combate a ações criminosas em todo o Maranhão. Alessandro informou que a inauguração do aplicativo do WhatsApp é uma inovação que, com certeza, irá aumentar a demanda das apreensões de drogas na capital e no interior, pois o serviço é totalmente confiável e sigiloso. “O número do telefone 9 9163 4899 terá a facilitação de receber ligações a cobrar. O cidadão pode ligar e ajudar a polícia a prender criminosos que usam o tráfico de drogas como ganho fácil.

Carlos Alessandro disse, ainda, que o aplicativo já mostrou para que veio, pois no início da tarde em que foi lançado a SENARC realizou uma prisão através do uso dessa ferramenta. Para o delegado, o  WhatsApp da Senarc, tem como principal objetivo aproximar a sociedade maranhense da Polícia Civil, colocando à disposição das comunidades uma nova ferramenta de combate ao narcotráfico que tem como característica principal o sigilo da denúncia.

Por/Stenio Johnny ASCOM SSP-MA