Polícias do Maranhão e Piauí prendem suspeitos de envolvimento na morte de dois presos em Buriti de Inácia Vaz

Em uma operação conjunta, as Superintendências de Polícias Civis do Interior do Maranhão e do Piauí prenderam sete pessoas suspeitas de estarem envolvidas na morte de dois presos que foram sequestrados da delegacia do município de Buriti de Inácia Vaz, no Maranhão, no dia 14 de fevereiro. Os presos sequestrados foram mortos e os corpos encontrados no dia seguinte com sinais de tortura no município de Miguel Alves, no Piauí.

De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Mello, as investigações foram iniciadas imediatamente após o sequestro dos presos e a partir do monitoramento dos veículos utilizados pelo grupo foi possível prender os suspeitos na manhã desta terça-feira (1º), com apoio da polícia do Piauí. O grupo foi encaminhado à Delegacia Geral da Polícia Civil do Piauí para prestar depoimento.

Os suspeitos foram identificados como Vitor Vieira Forte Pontes Torres, Miguel Alves, Edêr Jerônimo Vaz da Silva, Marcondes Pinho, José Iranildo Cunha da Silva, Claudiane Lopes do Nascimento Pereira e Fernanda Torres. O inquérito policial sobre o caso está em andamento, no sentido de identificar se há mais pessoas envolvidas, tanto no sequestro como na tortura e morte dos dois presos.

Entenda o caso

Sabino Neto Cardoso dos Santos e Leonardo Vieira Silva foram presos em Buriti de Inácia Vaz acusados de matar o empresário Kaleu Torres. O sequestro deles ocorreu no dia 14 de fevereiro, quando dois homens e uma mulher simularam terem sido vítimas de assalto.

Primeiro, os dois homens e a mulher afirmaram na delegacia que tinham sido assaltados e depois retornaram ao local com um homem amarrado, alegando que era o assaltante. Ao terem acesso às celas eles renderam o carcereiro e retiraram do local os presos Sabino Neto Cardoso dos Santos e Leonardo Vieira Silva.

O corpo dos presos foi encontrado no dia seguinte, mutilado e com sinais de tortura, em um rio conhecido como Pitombeira na cidade de Miguel Alves, ao norte de Teresina (PI).

Mauro Wagner – Ascom SSP