Polícia Civil prende assaltante de joalheira e descobre autoria do homicídio de quilombola

Uma ação conjunta da Superintendência de Polícia Civil do Interior (SPCI), da Delegacia de São João Batista, com o apoio da Delegacia de Homicídios de São Luís, resultou na prisão de duas pessoas envolvidas em assaltos a joalheiras e no assassinato de um quilombola da cidade de São Vicente de Férrer. De acordo com a polícia, com a prisão dos dois irmãos, a autoria intelectual da morte do líder quilombola, Flaviano Pinto Neto, ocorrido, em maio de 2010, no povoado Santa Rita I, no município de São João Batista estaria elucidada. Os dois homens, que são irmãos, foram detidos na quarta-feira (9).

José da Silva Chagas Pacheco, conhecido por ‘Zé da Silva’, 37 anos, e José da Cruz Pacheco, 45 anos, foram presos em São Vicente de Férrer e Pinheiro, respectivamente, após a polícia investigar a morte do líder quilombola.

José da Silva, que é proprietário de uma joalheira, é acusado de ter participado em companhia do irmão e de mais três pessoas de um assalto a uma joalheira na cidade de Laranjal do Jari, no Amapá, no ano de 2002. Por este crime, a Justiça Amapaense expediu um mandado de Prisão Preventiva em desfavor dos dois irmãos. Na ocasião, o bando subtraiu cerca de três quilos de ouro e várias jóias da joalheira. De acordo com informações policiais, Zé da Silva, ainda é acusado de envolvimento no roubo de cargas no Amapá.

Em relação à morte do quilombola Flaviano Pinto Neto, o delegado Armando Pacheco contou que o crime custaria R$ 10 mil. “Após as investigações conseguimos chegar a José da Silva. Ele havia sido agenciado pelo ex-policial militar Josuel Sodré Sabóia para assassinar o líder quilombola. Mesmo sabendo do valor, ele alega que recusou a proposta, pois a vítima residia próximo à sua casa”, contou.

Ainda durante as investigações, a polícia descobriu, também, que Zé da Silva já é bastante conhecido na Baixada maranhense pelos delitos que comete. Na lista dos crimes encomendados estaria, ainda, a morte de um investigador da Polícia Civil do município de São João Batista. A ação foi arquitetada por um traficante da região que estaria se sentindo incomodado com as ações de repressão contra o tráfico de drogas na região que estão sendo deflagradas pela Polícia.

Os dois encontram-se detidos na Delegacia de São João Batista. Eles ficarão aguardando a decisão da Justiça para serem transferidos para uma Unidade Prisional.