SSP discute estratégias para inibir assaltos a casas lotéricas em São Luis

As polícias Civil e Militar montaram uma ação visando coibir assaltos e arrombamentos a casas lotéricas na Região Metropolitana de São Luis.  A estratégia foi definida em uma reunião, nesta segunda-feira (8), na Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC), na sede da Secretaria de Segurança Pública (SSP).Reunião de representantes das polícias Civil, Militar e do Sindicato dos Empresários de Casas Lotéricas

No encontro, que reuniu representantes das Polícias Civil, Militar e do Sindicato dos Empresários de Casas Lotéricas do Maranhão, foram definidas estratégias de repressão e prevenção.

Foi deliberada pela criação do Núcleo Especial de Resposta que vai agir, com o apoio da SPCC, especificamente as ocorrências desta natureza. Vai, também, desenvolver trabalhos para identificar os criminosos e realizar ações de repressão. 

De acordo com o superintendente de Polícia Civil da Capital, delegado Sebastião Uchoa, é necessário que todos os envolvidos cumpram com suas partes. “Convocamos essa reunião para, em conjunto, identificarmos os pontos mais vulneráveis e assim definirmos ações não só de repressão, mas também de prevenção. Nessas ações serão utilizadas estratégias modernas para que possamos atingir o nosso objetivo, que é extinguir este tipo crime da realidade ludovicense”, explicou.Uchoa ressaltou a necessidade dos proprietários cumprirem normas de segurança, como a instalação de câmeras de segurança, que auxiliam no trabalho de investigação e identificação dos assaltantes. Outra medida é comunicar às forças policiais casos de movimentação financeira com valores altos e a contratação de guarda patrimonial. Essas medidas preliminares, segundo o Uchoa, reduziriam a possibilidade de assaltos.  

 

Levantamento – Segundo levantamento do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciops) foram registrados seis casos de assaltos no primeiro semestre deste ano. Destes, quatro foram arrombamentos e apenas em dois, os criminosos utilizaram arma de fogo para cometer o delito.

 Para o comandante do Policiamento Metropolitano, tenente-coronel Jéferson Telles, o trabalho realizado já apresenta resultados visíveis. “A prisão de algumas pessoas envolvidas com esse tipo de crime é reflexo do trabalho que vem sendo feito. Já foram presas, nesse semestre, duas quadrilhas especializadas nesta prática”, ressaltou.

Ainda segundo o comandante, ações de repressão serão intensificadas em diversos pontos da capital. Patrulhamento em áreas próximas as Casas Lotéricas e abordagens de suspeitos também serão desenvolvidas.

Ganhos – Entre os benefícios que serão alcançados por essas ações está a redução dos prejuízos por parte dos proprietários das Lotéricas. De acordo com o representante do Sindicato das Casas Lotéricas, Bruce Gondim, ?São grandes os prejuízos com os assaltados. “Viemos tratar com a Polícia estratégias que possam reduzir os riscos de novos casos”.

Gondim disse que os proprietários de casas lotéricas estão dispostos a se unirem no esforço para evitar que outros proprietários e clientes sejam vítimas de assaltos “Vamos dar todo apoio necessário”.

Presentes na reunião, o delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Ronilson Moura; o delegado André Gossain, da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic); além dos delegados Carlos Alberto Damasceno, Pedro Adriano Meneses, Joviano Furtado, supervisores dos Centros Integrados de Defesa Social (Cids) das áreas Norte, Leste e Oeste, respectivamente.